Quase 100 mil cientistas, médicos e engenheiros deixaram a Venezuela

A oposição venezuelana denunciou, segunda-feira, que está a haver uma “fuga de talentos” para o estrangeiro, devido à crise política, económica e social que afeta a Venezuela.

“Pelo menos 92.000 cientistas, médicos, engenheiros e arquitetos emigraram da Venezuela nos últimos anos (desde 2015), sem dúvida, uma grande fuga de talentos”, denunciou o ex-deputado opositor Carlos Valero do partido Um Novo Tempo (centro-esquerda), eleito em 2015.

“E urgente um câmbio da política no país, para que cada venezuelano que partiu possa regressar e juntos possamos construir o país que merecemos”, afirmou.

Segundo o HispanoPost (portal web com presença em 17 países da América Latina) a “emergência humanitária venezuelana levou pelo menos 12.000 profissionais de ciência e tecnologia, 20.000 médicos e 50.000 engenheiros e arquitetos a emigrar nos últimos anos”.

“Este talento venezuelano em fuga junta-se a contingentes de profissionais que fugiram de países em conflito ou sumidos em emergências humanitárias, uma situação que está a ser abordada através de fóruns virtuais intitulados Science in Exile”, lê-se na Hispanopost.

Segundo o portal, nestes debates, promovidos pela Unesco, pela Academia Mundial de Ciências, pelo International Science Council e a Interacademy Partnertship, estão a ser abordadas questões com a prolongada situação de deslocação no Afeganistão, Síria, Venezuela e Iémen.

Em análise está também “as condições precárias em que os investigadores destes países sobrevivem, as estratégias e oportunidades que têm procurado para continuar a fazer ciência dentro e fora das fronteiras das suas nações de origem”.

“Na vanguarda destas crises migratórias está a Venezuela, um país que até 2023 terá expulsado 10 milhões de pessoas, segundo projeções do Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados e do Fundo Monetário Internacional”, explica o HispanoPost.

Por outro lado, segundo a ex-presidente da Academia de Ciências Físicas, Matemáticas e Naturais da Venezuela, Gioconda San Blas, “o colapso económico é a maior força que empurra ao deslocamento, junto com uma democracia falida, a perseguição política, a conflituosidade social e a diminuição da segurança social”.

Nesse contexto, refere que os investigadores venezuelanos recebem salários “ridículos” e explica que o seu “rendimento mensal como investigadora ‘eméritos’ (distinguida) do Instituto Venezuelano de Investigação Científica apenas chega aos 30 dólares (25,27 euros)”.

Segundo a revista Ciência ao Dia os “cientistas venezuelanos são forçados a ‘inventar’ para sobreviver, aceitando um segundo emprego ou recorrendo às poupanças que conseguiram juntar quando as circunstâncias do país eram outras”.

“Para além dos números dramáticos que evidenciam a debacle científica venezuelana, quase 88% dos estudantes universitários expressam o desejo de viver no estrangeiro, 50% dos investigadores partiram e 77% dos laboratórios estão paralisados ou abandonados”, segundo Gioconda San Blas.

A crise política, económica e social na Venezuela, agravou-se desde janeiro de 2019, quando o então presidente do parlamento, o opositor Juan Guaidó, jurou publicamente assumir as funções de presidente interino do país até afastar Nicolás Maduro do poder, convocar um governo de transição e eleições livres e democráticas no país.

Em 29 de julho a Organização de Estados Americanos (OEA) alertou que o número de venezuelanos que fogem da crise política, económica e social na Venezuela, poderá atingir os 7 milhões no primeiro trimestre de 2022, “ultrapassando o êxodo na Síria”.

Nesse mesmo dia um relatório da agência da ONU para as migrações alertou que os países que acolhem venezuelanos que abandonaram o país devem “começar a desenhar a integração a longo prazo”.

Os últimos dados dão conta que pelo menos 5,6 milhões de venezuelanos abandonaram o seu país desde 2015.(LUSA)

Simply put, antibiotics are poisons that are used to kill. Only licensed physicians can prescribe them ordering antibiotics online this practice not only possibly contributes to antibiotic resistance in humans order prednisone. Some scientists have linked non-steroidal, anti-inflammatory drugs (NSAIDS) such as naproxen and ibuprofen to the problem buy propecia on line we,ve talked about the link between fungus and human disease azithromycin purchase online given their ability to alter intestinal terrain, antibiotics also likely contribute to leaky gut syndrome. Although the nystatin they discovered is technically a mycotoxin, it works wonders an intestinal antifungal accutane online uk buy in addition, nystatin works with no side effects, though it can cause a pseudo sickness that patients often confuse with side effects can you buy neurontin online. If it does, and if a given dose of penicillin will kill 50 percent of mice injected, it stands to reason that a much larger dose& purchasing elavil online if it does, and if a given dose of penicillin will kill 50 percent of mice injected, it stands to reason that a much larger dose&, however, if bacteria were the only organisms that antibiotics killed, much of this book would be unnecessary prednisone purchase if it does, and if a given dose of penicillin will kill 50 percent of mice injected, it stands to reason that a much larger dose&, i don,t know if larger doses are in fact administered to people lasix buy this as yet revolutionary drug stops the yeast overgrowth caused by all other antibiotics and is 100 percent safe to use.