Ultimate magazine theme for WordPress.

Beatkeepa lamenta a falta de patrocínio ao Hermínio e Dynomite “Perdemos talentos”

Beatkeepa cita Hermínio e Dynomite

Por: Jeremias Gotine

DJ e Produtor moçambicano, Beatkeepa voltou a aparecer nas telas, mas com uma agenda diferente, visto que ultimamente tem sido convidado para debater assuntos sociais em cadeia televisiva; Nesta nova viagem Beatkeepa embarcou em “Moz Pod” para uma conversa de longas histórias.

O autor da carta “O último suspiro” que saiu em 2008, na qual apontava dedo aos tubarões que viciaram a música moçambicana com artistas fabricados, ao invés de patrocinar artistas talentosos, Beatkeepa, ainda não acredita no que viu acontecendo nesta Pérola do Índico.

Beatkeepa deu exemplo do Justin Bieber que era um talento sem muitas condições, mas com um caminho meio andado e consequentemente por se encontrar numa indústria que funciona/va, foi carregado no colo, apresentado ao mundo, sendo um fenómeno até os dias de hoje.

Beatkeepa acredita que Moçambique tinha vários artistas com muito potencial, mas que não tiveram a sorte de serem abraçados por grandes marcas como as que injetavam dinheiro na arena musical; Uma empresa destacada é a “antiga” MCEL (Moçambique Celular)

De acordo com Beatkeepa, a MCEL entrou no mercado e criou os seus próprios artistas, tal como a própria música (Pandza em particular), enquanto a label de Beatkeepa (Track Records) já existia com artistas de peso, entretanto, foi aparentemente tratada como concorrente.

Hermínio é um talento natural que não foi enquadrado na equação dos tubarões, pois, hoje (ele) estaria ao nível de artistas de referência como o angolano Anselmo Ralph, quem diz isso é o próprio Beatkeepa.

Beatkeepa sublinha que outro moçambicano que não teve a sorte é o Dynomite AKA Sumbana, [“…este tinha tudo para dar certo, mas também foi encostado de lado…”].

“A indústria fechou os olhos para Hermínio, não por falta de talento, mas porque ele não soube entrar no esquema da época… Hermínio tem potencial e poderia estar em Portugal a fazer carreira…Perdemos talentos” – disse mais Beatkeepa.